1º IoT Business Forum com a participação do Rapiddo

with Nenhum comentário

Internet das Coisas

Internet das coisas, ou IoT, é basicamente a possibilidade de conectar à internet qualquer tipo de dispositivo, seja ele um celular ou uma máquina de lavar louça. Um exemplo de Internet das Coisas são os carros que dirigem sozinhos ou fazem uma baliza sem a ajuda do motorista. A ideia é que, daqui pouco tempo, muitas “coisas” estejam conectadas entre si, como os óculos do Snapchat, que possibilitam que o usuário grave os vídeos do aplicativo a partir do que está vendo e esse vídeo vá direto para o aplicativo no celular.

Projetos que usam a Internet das Coisas são desenvolvidos e utilizados com muita frequência. Porém no Brasil esse processo é um pouco mais lento. Temos muitos usuários de tecnologias que estão conectadas mas não temos tantas criações desenvolvidas aqui, por isso é importante reunir pessoas do meio tecnológico e de inovação para trocar experiências e apresentar novos empreendimentos.

IoT Business Forum

No dia 06 de dezembro foi realizado o IoT Business Forum que teve como objetivo reunir empresas e profissionais para discutir as melhores maneiras de utilizar a Internet das Coisas no dia a dia das pessoas e das organizações. Além do modo de desenvolver novas oportunidades de negócios com essa tecnologia. Também foi abordado o melhor uso do ROI (retorno sobre o investimento) desta inovação e o potencial que ela tem para o mercado.

A 1ª edição do IoT Business Forum contou com a presença de vários profissionais do setor de tecnologia que apresentaram cases de inovação e falaram sobre a aplicação disso ao mundo das startups, negócios e serviços, além dos desafios de inserir esse tipo de tecnologia em empresas B2B, B2C e M2M (Machine to Machine).

Participação do Rapiddo

Guilherme Bonifácio palestrando no evento de IoT
CEO, Guilherme Bonifácio, no IoT Business Forum

Dentre os empreendedores que apresentaram Painéis estava o CEO do Rapiddo, Guilherme Bonifácio, que abordou o tema com foco no potencial que isso tem para startups. Guilherme também falou sobre a aplicação dessa tecnologia para o Rapiddo e a inovação que isso traz para o mercado da América Latina.

Deixe uma resposta